sexta, 04 de dezembro de 2020

Saúde

Higibox lança cabines inteligentes contra o coronavírus

Confira

21/08/2020 às 18:15:42 | Por: Grupo Think Ideias

Higibox lança cabines inteligentes contra o coronavírus

Higibox, a cabine segura para a família e completa de higienização e prevenção: álcool-gel, tapete sanitizante, piso antiderrapante e nebulização de substância antisséptica não-corrosiva, não-volátil, não-tóxica e de uso dermatológico e cosmético. (Divulgação)

Boxes hi-tech têm sensor de presença, câmera térmica e de reconhecimento facial de máscara, dispenser de álcool em gel e nebulização com spray antisséptico


Cabines hi-tech contra o coronavírus. A moda começou na China e chega agora ao Brasil pelo Grupo Think Ideias, que desenvolveu e construiu hospitais de campanha pelo país para auxiliar no combate à pandemia de Covid-19. O designer e empresário Hugo Morales desenvolveu a primeira cabine inteligente e preventiva do país contra o coronavírus. Chamada de Higibox, a estrutura, feita de material reciclável como ferro e polímero, reúne solução completa preventiva, como: tapete sanitizante para limpar os sapatos, dispenser com álcool em gel 70% para a higienização das mãos, sensor automático de presença, câmera térmica e de reconhecimento facial de máscara, túnel com piso antiderrapante, nebulização de substância antisséptica não-corrosiva, não-volátil, não-tóxica e de uso dermatológico e cosmético.


O objetivo é promover a higienização da pele, roupas e acessórios e inativar bactérias, fungos, leveduras e vírus em transportes públicos, entrada de condomínios residenciais e/ou de estabelecimentos comerciais. A cabine tem acesso para cadeirantes ou para quem esteja de bike ou skate. Não há contraindicação nem idade mínima. Crianças podem utilizar, desde que estejam no colo, acompanhadas por um adulto ou que tenham a altura mínima de 1,40 metro. Os jatos são ergonomicamente projetados para não cair sobre olhos ou ouvidos. E a pessoa tem de passar pela cabine necessariamente com a máscara de proteção.


Depois de um boom de cabines de eficácia duvidosa, nas principais cidades do país, com tendas ou estruturas infláveis improvisadas, que borrifam sobre os transeuntes substâncias tóxicas, como desinfetantes (água sanitária, cloro, ozônio e outros), que podem provocar lesões e queimar a pele, Hugo Morales, sócio e designer da Think Ideias, resolveu pesquisar a fundo uma solução para o dia a dia das metrópoles. A ideia era desenvolver algo que aliasse criatividade e respaldo médico e científico. A principal inspiração foram cabines e boxes de alta tecnologia criados na China. De alta durabilidade, adaptáveis a ambientes internos e externos, as cabines da Higibox serão grandes aliadas na flexibilização da quarentena e na reabertura de grandes estabelecimentos industriais, comerciais (shoppings, academias, hotéis, escolas, universidades, aeroportos, túneis de segurança dos voos), condomínios residenciais e até igrejas e templos, locais de grande aglomeração e risco de contaminação. Dentre os clientes que já adquiriram as cabines da Higibox, destacam-se academias (Escola Guga de Tênis, em Alphaville, e Studio Kore, no Itaim Bibi, em São Paulo), hotéis, como Hotel Le Canton, em Teresópolis, no Rio de Janeiro, e até igrejas como a Catedral Anglicana, em Santo Amaro, zona sul da capital de São Paulo.


“Nós, da área de eventos, fomos os primeiros a parar nesta crise sanitária e econômica. Depois de 12 anos de mercado, produzindo centena de eventos por ano, o impacto foi muito duro. Queríamos usar nossa infra, tecnologia e expertise para desenvolver soluções criativas e efetivas que pudessem mitigar a propagação do vírus. Assim nasceu a cabine da Higibox. Sem vacina ou tratamento reconhecido ainda contra a Covid-19, a nossa ideia foi desenvolver um produto potente de prevenção, que reunisse alta tecnologia, praticidade, saneantes e antissépticos com laudos de institutos sérios de pesquisa, como universidades e Anvisa. O resultado é algo pioneiro no mercado brasileiro e cujo uso independe da pandemia. Será o novo normal: o do reforço dos hábitos de higiene”, explica Hugo Morales, designer e sócio-fundador do Grupo Think Ideias, que lança a marca de produtos e serviços Higibox, de prevenção ao coronavírus. Hugo destaca que, em relação aos concorrentes, a Think tem outra vantagem: é uma empresa de design e arquitetura de eventos e cenografia e não uma farmoquímica. As cabines podem ser customizadas de acordo com as necessidades da empresa ou cliente, podem até se tornar pontos de veiculação visual de mídia e propaganda e o cliente pode abastecer o compartimento com a substância que quiser. “Nós recomendamos, para pulverização sobre pessoas, por enquanto, até a ciência descobrir algo mais efetivo, a clorexidina, que tem aprovação para uso dermatológico”, explica Hugo. Para isso, a Higibox fornece as substâncias antissépticas com fornecedores parceiros no Brasil e no exterior e todos laudados por institutos renomados como Ecolyzer, Unicamp e Anvisa.


A proteção começa antes de a pessoa entrar pelo boxe, que pode ser um portal até um túnel de 1,50 metro de comprimento. Na entrada, há um tapete higienizante com imersão de um poderoso saneante com nanotecnologia na composição. Fórmula com cloreto de benzalcônio de 5ª geração e a nanoprata, que tem ação sobre cerca de 650 microrganismos, inclusive coronavírus. Essa combinação de princípios ativos torna o produto um poderoso bactericida, virucida e fungicida, com memória residual e que atua contra os microrganismos por até 7 dias na superfície aplicada. Além do tapete sanitizante, um dispenser com álcool em gel 70%. A substância é recomendada mundialmente como a mais efetiva para higienizar as mãos durante a pandemia. Isso ocorre porque o vírus envelopado – como o SARS-Cov-2 – tem uma camada protetora de gordura, uma camada lipídica, que é sensível e é destruída pela substância.


Antes mesmo de entrar no boxe, as câmeras térmicas e de reconhecimento da Higibox identificam a pessoa, mesmo de máscara, e acusam a sua temperatura corporal. O sistema, que aciona um banco de dados, é ótimo para a entrada mais segura de condomínios residenciais, por exemplo. Se a temperatura indicar febre, a orientação é a de que a pessoa nem passe pela cabine e procure orientação médica. Não há risco para o paciente se ele passar pela cabine, mas a empresa recomenda que isso não seja feito, já que, uma vez com o vírus ativo, mesmo que a pessoa esteja assintomática, a cabine não tem efeito. Ela não consegue agir sobre um vírus já ativo no organismo. Sem a máscara, a pessoa não entra no estabelecimento. A cancela só abre mediante as condições de temperatura e uso de máscaras, o que permite às empresas e estabelecimentos fazerem o controle de acesso e contar a quantidade de pessoas que entraram num evento, por exemplo.


A cabine da Higibox dispõe, ainda, de um sensor de presença, sem necessidade de toque ou que a pessoa retire a máscara de proteção durante a passagem pela cabine. O sensor digital aciona borrifadores com uma solução antisséptica de digluconato de clorexidina (a 0,3%), eficaz contra bactérias, fungos, leveduras e vírus. Importada, a substância tem laudos emitidos por institutos como Anvisa, Unicamp e Ecolyzer. Popular pelo uso em merthiolates e enxaguatórios bucais, a clorexidina é uma conhecida aliada de enfermeiros, médicos intensivistas e dentistas, considerada substância essencial pela Organização Mundial de Saúde e aprovada para uso médico e cosmético pela Anvisa. Substância versátil, é normalmente indicada para a antissepsia da pele e de pequenos ferimentos, limpeza do cordão umbilical de recém-nascidos e até uso em perfumes. Tem um efeito residual de limpeza de horas, com vantagem, nesse aspecto, sobre o álcool, que é altamente volátil e se evapora. A prevenção é a maior arma contra doenças, independentemente da Covid-19. Cabine Higibox, aliada da saúde e da população, e que veio para ficar.